Google+ Followers

terça-feira, 20 de julho de 2010

O arco-íris da depressão

De entre as últimas notícias que entrei sobre este tema, achei esta particularmente interessante pelo que decidi transcrevê-la aqui neste blog:


Depressão faz o mundo olhar aborrecido

Julho 18, 2010

questão Magazine 2769. Assinar e salvar

Para histórias similares , visite o Saúde Mental Guia de Tópicos

Para as pessoas com depressão o mundo realmente não olhar aborrecido. Isso porque a sua capacidade de perceber o contraste é prejudicada.

Para investigar as relações entre os transtornos de humor e visão, Emanuel Bubl na Universidade de Freiburg , na Alemanha, e colegas executou um eletrodo ao longo de um olho em cada uma das 40 pessoas com depressão, e 40 pessoas sem . Os eletrodos mediram a actividade dos nervos que conectam fotorreceptores - que detectam diferentes aspectos da luz - para o nervo óptico , mas não o cérebro.

Os participantes se sentou em uma sala pouco iluminada e assistiu a uma tela preta e branca xadrez que se tornou mais cinzento em seis fases distintas, reduzindo o contraste entre cada praça. Cada fase foi apresentada por 10 segundos , eo experimento foi repetido mais de uma hora .
A equipe descobriu que os sinais elétricos para o nervo óptico foram menores em pessoas com depressão. Por exemplo, ao ver o palco com quadrados pretos e brancos , os voluntários saudáveis tiveram três vezes a atividade do nervo das pessoas com depressão , indicando que a depressão diminui a capacidade de detecção de contraste. A depressão mais grave de uma pessoa , pior a sua percepção de contraste (Biological Psychiatry, DOI: 10.1016/j.biopsych.2010.02.009).
Martin Mathew Iverson - da Universidade da Austrália Ocidental em Perth diz que este poderia ser porque os neurotransmissores que regulam a atividade do nervo da visão também poderia ser envolvido na emoção.
Bubl acredita que uma técnica semelhante poderia ser utilizada para auxiliar no diagnóstico da depressão clínica.

Seguidores

Livros cuja leitura recomendo

  • Sexo e Amor, de Francesco Alberoni, Bertrand Editora
  • Recriar o Seu Ser, Neale Donald Walsch
  • O Profeta, Khalil Gibran
  • O Poder do Agora, Eckhart Tolle, Pergaminho
  • O Feminino Reencontrado, de Nathalie Durel, Ariana Editora
  • O Cavaleiro da Armadura Enferrujada, de Robert Fisher, Editorial Presença
  • O Caminho Menos Percorrido, de M. Scott PecK, colecção xix
  • As Vozes de Marraquexe, Elias Canetti

Depressão - quando como porquê...

A criação deste Blog advém de, ao longo de vários anos, ter percepcionado que em Portugal esta doença é quase tabu; envolvida pela vergonha de quem padece e pelo desconhecimento político da sua real dimensão e implicações, bem como das respostas existentes para o seu tratamento... Apenas pretendo abrir um espaço para a interrogação a denúncia a informação... Talvez dessa troca de ideias resulte benefício para alguém ( doente, familiar, amigo... ) como, por exemplo, a identificação do seu sofrimento, o início da compreensão e da aceitação da depressão como doença, um incentivo para a procura de mais conhecimentos, um incentivo para predir ajuda na sua cura ou na melhor qualidade de vida, ou o renovar da esperança perdida... Bem hajam! os que quiserem e não tiverem medo ou vergonhar de comentar: criticar, sugerir, informar, questionar, contar, interrogar-se, lamentar-se...