Google+ Followers

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Astrologia

Não consulto as cartas para tomar decisões, não recebo o horoscópo diário no telemóvel, não olho para estas questões como se de uma ciência se tratassse ( com os atributos que hoje esta palavra exige) mas gosto de Astrologia.


Respeito a curiosidade e a sapiência dos primeiros a olhar universo como um campo de investigação, observando-o, captando as suas deslocações, registando um manacial de informação quase mágica para os meios disponíveis nessa época... Seriam provavelmente astrológos os Magos...

Além do mais sempre me revi nas características do meu signo solar ( Peixes) e também do meu ascendente ( Leão). Para quem não entende nada destas coisas posso dizer que o signo solar é a nossa essência, aquilo que realmente somos e o signo ascendente refere-se ao modo como em geral as outras pessoas nos vêem.

A astrologia é diferente de advinhação, magia, charlatanice e outras mil e uma coisas que existem num sub-mundo de vigarice e que enchem anúncios de jornais, revistas, net etc... e que em relação às quais não há espaço neste blog.
Gostava de referir aqui um nome a nível da astrologia nacional que tem suscitado a minha curiosidade - Vera Xavier. Tem previsões na Sapo e também já vi publicações em jornais e revistas.
Independentemente da sua previsão, que por vezes nem fixo, retiro sempre algum ensinamento positivo do que diz. Tem um discurso sábio e encorajador, embora recorrendo a frases de outras pessoas ( poetas filosófos cientistas...).

Faz-me sempre bem ler o que escreve - ora considero tal facto louvável! Bem haja!
Publiquei este texto também no meu outro blog: http://www.marialascas.blogspot.com/.

Mas aqui a título de exemplo vai a previsão semanal para os peixinhos publicada pela Vera Xavier na página de Astrologia da Sapo:
" 31 a 6 de Junho de 2010

Pajem de Espadas
Compreendemos mal o mundo e depois dizemos que ele nos decepciona. (Tagore)
Grande Tagore!

E porque é que compreendemos mal o mundo? Porque vemos as situações, as circunstâncias apenas do nosso ponto de vista egoísta e profundamente limitado. É-nos difícil compreender a verdade dos outros, porque estamos demasiado ocupados com a nossa auto-preservação, com todas as muralhas que, ano após ano, fomos construindo. A cada queda, a cada erro, fomos colocando mais uma imensa e quase intransponível pedra nessa muralha, muralha que nos isola, muralha que nos traz uma gigantesca solidão. Quando achamos que o mundo está todo errado e que todos estão errados, algo de sério se passa connosco. Não pode ser assim, é demasiado fácil e redutor! Reduzirmos a vivencia a isto é terrivelmente disparatado e inconsequente, demonstra acima de tudo que, tristemente, pouco foi aprendido. O que acontece quando nos fechamos? Acontece que não aprendemos nada; não sentimos nada; não partilhamos nada; não vivemos! Pergunto: será essa a nossa missão?

O Pajem de Espadas pede que repense a sua estratégia de vida, o seu modo de vida. O que o move neste momento? O que é que lhe dá prazer? O que é que quer atingir? Temos de ter sonhos e objectivos! Vamos Peixinho, vamos Caminhar, vamos sair do mesmo, porque o que está lá a frente é bem melhor. Claro que é! "

Bem tirando a ideia de pôr um peixinho a caminhar o resto parece-me bem.

Seguidores

Livros cuja leitura recomendo

  • Sexo e Amor, de Francesco Alberoni, Bertrand Editora
  • Recriar o Seu Ser, Neale Donald Walsch
  • O Profeta, Khalil Gibran
  • O Poder do Agora, Eckhart Tolle, Pergaminho
  • O Feminino Reencontrado, de Nathalie Durel, Ariana Editora
  • O Cavaleiro da Armadura Enferrujada, de Robert Fisher, Editorial Presença
  • O Caminho Menos Percorrido, de M. Scott PecK, colecção xix
  • As Vozes de Marraquexe, Elias Canetti

Depressão - quando como porquê...

A criação deste Blog advém de, ao longo de vários anos, ter percepcionado que em Portugal esta doença é quase tabu; envolvida pela vergonha de quem padece e pelo desconhecimento político da sua real dimensão e implicações, bem como das respostas existentes para o seu tratamento... Apenas pretendo abrir um espaço para a interrogação a denúncia a informação... Talvez dessa troca de ideias resulte benefício para alguém ( doente, familiar, amigo... ) como, por exemplo, a identificação do seu sofrimento, o início da compreensão e da aceitação da depressão como doença, um incentivo para a procura de mais conhecimentos, um incentivo para predir ajuda na sua cura ou na melhor qualidade de vida, ou o renovar da esperança perdida... Bem hajam! os que quiserem e não tiverem medo ou vergonhar de comentar: criticar, sugerir, informar, questionar, contar, interrogar-se, lamentar-se...