Google+ Followers

terça-feira, 18 de maio de 2010

A complexidade humana

Somos seres deveras complexos e excessivamente complicados.

Fazemos duma simples palavra um turbilhão de emoções. Carregamos o passado, quanto mais negro e pesado melhor, tememos todo o futuro apesar de sabermos que nada pudemos prever e não conseguimos parar no presente saboreando-o.
Somos imperfeitos e centramo-nos nas imperfeições ignorando todo o resto que somos, exigindo a perfeição de nós dos outros, mesmo sabendo que ninguém foi ou é perfeito...
Se a perfeição existisse seria um tédio. O que iriamos desejar: a imperfeição?!

Sempre crente de que ninguém sem depressão consegue perceber o que esta é, verifiquei ontem quanto uma pessoa com depressão também pode ser incapaz de perceber, por exemplo, a toxicodepência.
Fiquei surpreeendida como alguém que padece duma doença tão incompreendida e que não se mostra mais tolerante, mais predisposta, para tentar perceber as fragilidades dos outros quando diferentes das suas...
Apetece-me dizer como na rádio: vale a pena pensar nisto.

Seguidores

Livros cuja leitura recomendo

  • Sexo e Amor, de Francesco Alberoni, Bertrand Editora
  • Recriar o Seu Ser, Neale Donald Walsch
  • O Profeta, Khalil Gibran
  • O Poder do Agora, Eckhart Tolle, Pergaminho
  • O Feminino Reencontrado, de Nathalie Durel, Ariana Editora
  • O Cavaleiro da Armadura Enferrujada, de Robert Fisher, Editorial Presença
  • O Caminho Menos Percorrido, de M. Scott PecK, colecção xix
  • As Vozes de Marraquexe, Elias Canetti

Depressão - quando como porquê...

A criação deste Blog advém de, ao longo de vários anos, ter percepcionado que em Portugal esta doença é quase tabu; envolvida pela vergonha de quem padece e pelo desconhecimento político da sua real dimensão e implicações, bem como das respostas existentes para o seu tratamento... Apenas pretendo abrir um espaço para a interrogação a denúncia a informação... Talvez dessa troca de ideias resulte benefício para alguém ( doente, familiar, amigo... ) como, por exemplo, a identificação do seu sofrimento, o início da compreensão e da aceitação da depressão como doença, um incentivo para a procura de mais conhecimentos, um incentivo para predir ajuda na sua cura ou na melhor qualidade de vida, ou o renovar da esperança perdida... Bem hajam! os que quiserem e não tiverem medo ou vergonhar de comentar: criticar, sugerir, informar, questionar, contar, interrogar-se, lamentar-se...