Google+ Followers

segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Aprender a amar


"Meus pais meus filhos todos que é suposto amarem-me notam sempre atentos aos defeitos.
Hoje sei que ainda não aprenderam a amar.
Quando elogio uma qualidade desconfiam."

Não é minha esta frase e lamento não ser capaz de dizer a quem pertence.
Sei que a retirei de um livro de Desenvolvimento Pessoal há algum tempo, provavelmente de um autor norte-americano...
Mas também a autoria não é o mais importante, mas a sábia observação que revela e que tive vontade de partilhar.

Se fizermos uma auto-análise séria, descobrimos que estamos facilmente predispostos para criticar e reparar nos defeitos mesmo daqueles que mais deviamos amar...
Tal como estamos mais predispotos para nos queixarmos da vida, do tempo, do trânsito... do que para nos concentrarmos e citarmos as coisas positivas, que simultâneamente com essas estão a acontecer.
Exemplos? Se não fosse o trânsito não tinhamos chegamo a ouvir no rádio aquela velha canção... se não tivesse acabado as férias daqui a pouco a roupa já não nos servia com tanta preguiça, se não chovesse na Primavera não floririam os campos etc...
Cada um é que tem que reparar naquilo que, para si, está a acontecer de bom em cada momento, não é igual para todos.   

Seguidores

Livros cuja leitura recomendo

  • Sexo e Amor, de Francesco Alberoni, Bertrand Editora
  • Recriar o Seu Ser, Neale Donald Walsch
  • O Profeta, Khalil Gibran
  • O Poder do Agora, Eckhart Tolle, Pergaminho
  • O Feminino Reencontrado, de Nathalie Durel, Ariana Editora
  • O Cavaleiro da Armadura Enferrujada, de Robert Fisher, Editorial Presença
  • O Caminho Menos Percorrido, de M. Scott PecK, colecção xix
  • As Vozes de Marraquexe, Elias Canetti

Depressão - quando como porquê...

A criação deste Blog advém de, ao longo de vários anos, ter percepcionado que em Portugal esta doença é quase tabu; envolvida pela vergonha de quem padece e pelo desconhecimento político da sua real dimensão e implicações, bem como das respostas existentes para o seu tratamento... Apenas pretendo abrir um espaço para a interrogação a denúncia a informação... Talvez dessa troca de ideias resulte benefício para alguém ( doente, familiar, amigo... ) como, por exemplo, a identificação do seu sofrimento, o início da compreensão e da aceitação da depressão como doença, um incentivo para a procura de mais conhecimentos, um incentivo para predir ajuda na sua cura ou na melhor qualidade de vida, ou o renovar da esperança perdida... Bem hajam! os que quiserem e não tiverem medo ou vergonhar de comentar: criticar, sugerir, informar, questionar, contar, interrogar-se, lamentar-se...