Google+ Followers

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

O Diagnóstico da depressão

Do que tenho pesquisado sobre esta matéria não existem análises ou exames radiogáficos ou outros que permitam diagnosticar esta doença.
E daí talvez o facto de ser tão tardia a sua classificação médica como doença. A meio do séc. XX ainda se falava de "doença dos nervos", "melancolia"... " não andava bem da cabeça".
Em muitos ambientes associava-se a depressão ou essa melancolia a uma "especial sensibilidade" que conduzia aos grandes feitos artísticos na pintura na poesia ( ex. Van Gogh na pintura, a nossa poetisa Florbela Espanca-bipolar). O que levava até a entender-se que não era do interesse da comunidade a investigação sobre meios de tratar a "depressão" pois que tal especial sensibilidade desapareceria.
Ora, nem todos os grandes artistas padecem de depressão e a maioria daqueles que padece ( milhões de pessoas em todo o mundo segundo a O.M.S. ) não tem qualquer capacidade especial para a arte ou literatura!
E felizmente a investigação foi avançando.... inicialmente e ainda hoje em passo de caracol e devido à dedicação de poucos. Parece que alguns dos estudos iniciais se basearam em dados recolhidos em autópsia de indivíduos de sofriam de depressão....
Entre outros, existe um livro muito interessante e de fácil leitura sobre as dificuldades de classificação e aceitação na comunidade médica da depressão como doença do Dr. Peter D. Kramer, Contra a Depressão, Ed. Relógio D' Água para quem queira saber um pouco mais.

Seguidores

Livros cuja leitura recomendo

  • Sexo e Amor, de Francesco Alberoni, Bertrand Editora
  • Recriar o Seu Ser, Neale Donald Walsch
  • O Profeta, Khalil Gibran
  • O Poder do Agora, Eckhart Tolle, Pergaminho
  • O Feminino Reencontrado, de Nathalie Durel, Ariana Editora
  • O Cavaleiro da Armadura Enferrujada, de Robert Fisher, Editorial Presença
  • O Caminho Menos Percorrido, de M. Scott PecK, colecção xix
  • As Vozes de Marraquexe, Elias Canetti

Depressão - quando como porquê...

A criação deste Blog advém de, ao longo de vários anos, ter percepcionado que em Portugal esta doença é quase tabu; envolvida pela vergonha de quem padece e pelo desconhecimento político da sua real dimensão e implicações, bem como das respostas existentes para o seu tratamento... Apenas pretendo abrir um espaço para a interrogação a denúncia a informação... Talvez dessa troca de ideias resulte benefício para alguém ( doente, familiar, amigo... ) como, por exemplo, a identificação do seu sofrimento, o início da compreensão e da aceitação da depressão como doença, um incentivo para a procura de mais conhecimentos, um incentivo para predir ajuda na sua cura ou na melhor qualidade de vida, ou o renovar da esperança perdida... Bem hajam! os que quiserem e não tiverem medo ou vergonhar de comentar: criticar, sugerir, informar, questionar, contar, interrogar-se, lamentar-se...